Analiticamente Incorrecto
2006/02/18
  Tirem as mãos do teclado ( 1 )
A doutrina do medo ganha adeptos em todo mundo. Órgãos de segurança, religiões e políticos usam o receio e o terror como arma de arremesso contra uma sociedade cuja grande, senão única virtude é a tolerância. Não é uma questão de primazia ou de evolução societária, é tão-somente uma forma de viver que é praticada.
O mais curioso é que hoje essa forma de viver, tem que se justificar perante os outros, os intolerantes, os intransigentes, os que
se opõem aos princípios da liberdade.
 
Comentários:
Diário da "mulher-alibi"

Pacheco Pereira, um dos rastejantes da nossa cena política, pilar do sistema, e exemplo de como se pode subir rápido
(da Gare Maoísta à Gare Neo-Liberal-Conservadora, em bilhete de primeira, se faz favor),
resolveu ganhar dinheiro a publicar os textos do "Abrupto", uma espécie de sótão poeirento e desactualizado do imaginário de uma tia velha desactivada, e com barbas, ainda por cima.

Esse é o papel da "Mulher-Alibi", figura da Sociologia, indispensável para o funcionamento do Sistema: ela espumeja, ela finge que se indigna, ela ataca, ela recua, ela geme e freme, ela varia de alvos, mas, no fim, alinha sempre pela mão de quem lhe paga, e que realmente sempre serviu. É no seu discurso e na sua atmosférica variação fisionómica, que se faz o grosso da catarse do tecido social, "que bem que falou", "gosto muito de ouvi-lo", "sabe sempre dizer quando as coisas estão bem, e quando estão mal"...

Uma das características da mulher-alibi é a ubiquidade: ela tem o dom de estar sempre em todo o lado e em todo o instante em que se possa levantar alguma fervura.

Obviamente, Pacheco Perereira não é a Marcela-quer-morcela, a Mãe das Mães-Alibi, ou a "Desesperada", por antonomásia, com dons de mentira e retórica maquiavelicamente sofisticados. Berços diferentes: uma, filha do Ministro da Propaganda do Antigo Regime, a outra... não. Mas, no fim, o teclado termina sempre na mesma cadência, embora, pelos entremeios, se tenham esvaziado todas as tensões do Público, que, realmente, poderiam conduzir a qualquer mudança.
Elas são as gestoras do Pântano, e o Pântano continua a pagar-lhes regiamente pelo seu papel.

http://braganza-mothers.blogspot.com
 
Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial
Qualquer análise tem um ponto de vista incorrecto, mesmo não demonstrado, mesmo sem formas de entendimento.

Nome:
Localização: Sobral de Monte Agraço, Estremadura, Portugal
Arquivos
Abril 2005 / Agosto 2005 / Setembro 2005 / Outubro 2005 / Novembro 2005 / Dezembro 2005 / Janeiro 2006 / Fevereiro 2006 / Março 2006 / Abril 2006 / Setembro 2006 / Dezembro 2008 /


Powered by Blogger

Subscrever
Mensagens [Atom]